Postagens recentes

NA POLTRONA COM O ESCRITOR #4 Camila Prietto

20 setembro 2011 3 comentários
Olá leitores, tenho o prazer (quando digo prazer é prazer mesmo) de trazer para vocês a entrevista com a autora de "Em busca do guardião da Luz", Camila Prietto. Foi um prazer enorme entrevistar a Camila, mesmo que por e-mail, ela é uma pessoa muito simpática e atenciosa. A entrevista ficou muito "show". As respostas dela são incríveis, sem dúvida a melhor entrevista que o blog já fez (não que as outras não foram), elogios à parte vamos falar um pouco do livro "Em busca do guardião da luz", o livro em si já é uma obra incrível, a estória, os cenários, os personagens (esses muito bem detalhados), a arte gráfica, tudo! Super indico o livro, quem não ler está perdendo uma das melhores obras literárias de um autor brasileiro. Vamos a entrevista:



E.L - Conte-nos um pouco sobre o processo de criação de "Em Busca do Guardião da Luz"?

CamilaTudo começou há mais ou menos três anos. A estória começou a nascer com a Clara e era para ser um espetáculo de teatro de bonecos. Ela teria por volta de oito anos e passaria por essas dimensões paralelas. Desde o início, queria que fossem 10 dimensões no total e que a personagem tivesse que passar por testes pra conseguir as safiras de cada dimensão. Mas com a criação da estória e da própria Clara (que lutei muito pra ter outro nome, mas ela não deixou!) a ideia começou a ficar grande. Então, resolvi fazer um livro infantil e continuei criando. A estória foi crescendo e crescendo até aparecer a ideia da Sociedade Secreta, porque essa luta entre luz e sombras, bem e mal já tinha lugar garantido, mas adorei a ideia de criar uma Sociedade Secreta. Foi aí que o livro infantil deu um "boom" e a Clara cresceu um pouco; passou a ter 13 anos e o livro virou um romance. Parti então para a criação dos 36 Mestres da Luz que fazem parte da Sociedade da Luz. Nossa...
Amo criar personagens e acredito que isso seja influência de minha história como atriz, e o interessante é que os personagens aparecem para mim (jeito de falar, viu gente, ninguém aparece magicamente na minha sala! E – se fosse – eu sairia correndo! rsrsrs), e em seguida vem falas e textos. Acho que isso marca um pouco do meu jeito de fazer minhas estórias... E por aí vai minha criação, costurando cenas que aparecem, diálogos e ideias que surgem. Agora estou me divertindo com a criação dos Mestres das Sombras que começam a aparecer no Livro 2. 


E.L - Camila, podemos identificar em Clara (personagem do livro) uma menina brincalhona e questionadora. Quanto de você a Clara possui?

CamilaMuito, tudo e mais um pouco! :-) Na verdade me identifico muito com a Clara-emocional, mais exagerada e engraçada. Todos que me conhecem sabem que sou naturalmente boba e adoro fazer rir. Sou uma apaixonada por comédia e acredito que através do riso podemos sim mudar o mundo. Em termos de mecanismos de acesso verdadeiro ao ser humano, a comédia coloca as questões difíceis e importantes da sociedade e do indivíduo em foco de uma forma leve. E o riso nada mais é do que o alívio de ver-se diante de uma situação que poderia sim ser vivida por qualquer um de nós. 


E.L - Se a clara fosse uma música, qual seria? 

CamilaSeria uma música agitada, um pop rock mais dançante. Uma música de alta rotação, daquelas boas pra corrida, sabe. Um som que vai de Black Eyes Peas a Rihanna e Shakira. Nossa que mistura!


E.L - Lendo o livro percebemos que seus personagens e os cenários nele narrados são ricos em detalhes. Você é uma pessoa detalhista?

CamilaPuxa vida... acho que não! Na minha vida sou bem “desligadona”. Brinco que, como leonina, decido que quero ir até Maceió, mas não me pergunte como! Os detalhes, de hora, onde estar e quanto dura a viagem, me cansam um pouco. Mas no caso do livro, eu estava criando Dimensões que ninguém conhecia, nem eu! Então pra mim foi importante criar os detalhes, do tipo de flor que tem no lugar aos tons de cores daquele universo. Minha mãe até me perguntou se não eram informações demais. Não sei. Mas para mim era muito importante descrever em detalhes a imagem que eu via. E com a criação dos personagens faço o mesmo. Crio fichas de personagens com detalhes exagerados. Todos têm data de nascimento e histórico de como entraram na Esphera, o que faziam antes, família, profissão, cor, flor e até fruta que corresponderia a eles. E na minha "maluquice", ainda crio suas semelhanças com mitologias já conhecidas. Acredito que esse embasamento vá para o livro inconscientemente. 


E.L - De onde você tira inspiração? Quais seus autores preferidos?

CamilaMinha inspiração vem de tudo. Livros, filmes, tv, jornais, revistas e até conversas que ouço na rua. Pois é... Nós escritores somos fofoqueiros profissionais. Adoro andar por aí e ouvir histórias das pessoas. Brinco com meus amigos que me contam coisas dizendo: “Isso pode entrar no próximo livro, heim! Ou virar um conto!” Coisas que já aconteceram. Quando ouço uma frase que se adeque a um personagem eu anoto e uso. Minha maior influência são os seriados de TV pelos quais sou uma apaixonada, para não dizer viciada, neles! Já autores tenho alguns amores: Rubem Fonseca e Agatha Christie estão entre meu amores, mas leio de tudo e várias coisas ao mesmo tempo. Agora estou lendo: David Cooper, Meg Cabot, Ricardo Ragazzo, Pedro Térron e duas coletâneas de contos! Maluquinha, né!


E.L - Recentemente aconteceu mais uma edição da Bienal do Livro do Rio de Janeiro, o que você acha da iniciativa? Deveriam ocorrer mais eventos desse tipo no Brasil?

Camila Sim! Sim! Sim! Muito e sempre! Quando eventos de literatura são colocados nesse patamar todos ganham! Acompanhei as duas últimas Bienais de São Paulo e o que me marca mesmo é o número de crianças e jovens. E cada vez mais! Ler é um hábito e deve ser estimulado sempre. Claro que hoje falamos de uma realidade pós Harry Potter (HP) que deve sim, ser colocada nos livros de história como antes e depois de HP. Mas atrelado a isso vem essas Bienais que proporcionam que esse público tenha um leque de opções e aprendizados. Livros são uma porta para um mundo de possibilidades. Nada se compara a abrir um livro novo e começar uma estória. Quando damos as crianças e jovens e possibilidade de um evento como uma Bienal, mostramos pra eles que os livros são também um parque de diversões. 


E.L - Para você, escrever requer muita experiência ou qualquer pessoa pode se tornar um escritor?

CamilaQualquer pessoa pode sim escrever e é isso que tento passar nas minhas Oficinas de Criação Literária. Mas como tudo na vida nem todos se tornarão escritores profissionais. Um exemplo disso está nos esportes. Faço corrida, gosto e treino pra isso. Participo de competições e acompanho tudo o que acontece na área, mas não sou uma profissional da corrida. E isso nem de longe impede que eu treine que me dedique e me alimente melhor pra atingir melhores marcas. O ser humano é criativo e criador por natureza. Criar faz parte de nós e normalmente ao crescermos acabamos abafando isso. O que busco que as pessoas entendam é que o estímulo à arte em geral depende de vários fatores que vão de técnica, a leitura e coragem. Coragem sim! Pois ao escrevermos estamos expostos ao olhar do outro e ninguém quer que o outro não goste de algo que fazemos. Na literatura, como no esporte, a prática leva à perfeição sim! A sua perfeição! Mas a profissionalização requer mais, como em tudo na vida. Quem quer ser escritor deve começar agora! E agora não é daqui a pouco é agora mesmo. Porque uma grande ideia e um grande roteiro nascem de pequenas falas, e o trabalho do escritor é se dedicar a contar essa estória da forma mais transparente possível.  


E.L - Na sua opinião, a literatura estrangeira é mais valorizada pelos brasileiros?

CamilaSim, sem dúvida. Só que isso não é só culpa do leitor, pois as editoras procuram publicar mais os estrangeiros por que é mais barato e mais fácil. Mas o autor nacional está buscando se "profissionalizar". Digo isso assim e entre aspas, pois todos sabem o quanto é difícil viver de literatura no país, mas acredito, e aposto nisso, que as editoras estão querendo se dedicar e investir no autor nacional.
O brasileiro é muito criativo e faz maravilhas com o pouco que tem. O que digo é leia os nacionais, procure, busque e procure isso na internet, nos blogs. Por que o autor nacional tem pouco espaço nas livrarias! Os escritores brasileiros não deixam nada a desejar, pois tem um enorme potencial.
No meu caso, tive a oportunidade de ter o livro patrocinado por um projeto do Estado de São Paulo, chamado PROAC (Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo), que financiou a edição do livro... Mas todo o trabalho de divulgação do livro eu preciso fazer, e – olha – dá trabalho! É preciso investir. Vendo pela Internet (comércio eletrônico) e mantenho meu blog (www.camilaprietto.com.br). Por isso digo: procurem na Internet, investiguem e vejam a qualidade em que está a literatura nacional.


E.L - Na "blogosfera" literária identificamos a maioria esmagadora de meninas, não só blogando, mas como participantes ativas do mundo literário. Para você, meninas gostam mais de literatura que meninos?

Camila Você sabe que isso é fato mundial. Pesquisas de mercado mostram que a maioria esmagadora de compradores de literatura são mulheres! E mulheres defendem com unhas e dentes seus pontos de vista e aquilo que gostam. Prova disso é que bandas de garotos e cantores tem mais o calor de fãs do que de garotas! As meninas são assim, principalmente as jovens! Amam ou odeiam com muita força. Acho que por isso elas comprem a ideia de colocar no ar um blog que defende suas ideias e faz isso com muito amor. Acho que também em sua maioria os garotos são mais agitados que as garotas, talvez por isso se identifiquem mais com revistas de leitura rápida. Mas não acredito que isso seja generalizado. Na minha casa tenho um exemplo de vida que é meu pai. Um leitor diário, mesmo! A vida inteira.


E.L- Vamos fazer um jogo rápido:

Camila - 

Um livro: Estrela Amarela, Jennifer Roy (o último que me encantou!)
Uma personagem: Emília, de Monteiro Lobato
Um autor(a)Agatha Christie
Uma frase: “As oportunidades se apresentam como uma porta desconhecida. Mas quem tem que entrar é você!” – de minha autoria!!!
Uma CapaTormenta, de Lauren Kate



E.L - Que dicas daria para quem quer ser escritor?

Camila Comece agora! Nesse exato momento antes mesmo de terminar de ler essa frase! A estória vai se formando conforme vamos escrevendo e a primeira versão nunca é boa o suficiente. Ah mais que isso leia muito, leia tudo e observe o mundo a sua volta. Uma placa de transito já me deu a saída pra um pedaço do texto que eu estava a tempos sem saber o que fazer. 



Em breve resenha do livro: Em Busca do Guardião da Luz!

3 comentários:

Deixe seu comentário, sua opinião é imprescindível para avaliar nosso trabalho.

Obrigado!